EXCLUSIVO

Afinal, o que mudou no restaurante Ninho de Sabores após a passagem do "Pesadelo Na Cozinha"?

Pouse neste novo «Ninho de sabores»
O novo «Ninho» de cara lavada
Novos pratos na ementa
Conheça o Staff
A cozinha do ninho

O Chef Ljubomir esteve em Braga, no mais recente episódio do "Pesadelo na Cozinha". E nós, como manda a praxe, quisemos espreitar o restaurante que foi alvo da intervenção do Chef e perceber o que mudou.

Como já parece ser tradição, a equipa da Selfie falhou na primeira tentativa de visita ao espaço: a cozinha do restaurante Ninho de Sabores "fecha cedo" e às 20h45 convidaram-nos a voltar em outro dia, porque o serviço já estava encerrado. 

Começámos a ter um deja vu e a antecipar uma situação semelhante à que vivemos no restaurante 2002, mas como não somos de desistir à primeira, voltámos para o almoço do dia seguinte.

Apesar de a fachada pouco convidativa, a sala de refeições é acolhedora e transmite um ambiente familiar, extensão da equipa comandada por Bruno que nos recebe com muita simpatia e amabilidade.

Mal pedimos sugestão de prato especial da casa, Bruno desfia a ementa e acaba a revelar que o espaço foi renovado pelo "Pesadelo na Cozinha", mas garante, desde logo, que "não havia muito para mudar". Os xailes típicos pendurados contrastam com o amarelo das paredes e parecem ser o ambiente ideal para as noites de fados que o gerente garantiu fazerem sucesso entre os clientes do espaço.

Acabámos por acatar a sugestão dos pratos do dia e pedimos petinga com arroz de feijão vermelho e panados com arroz e batata frita. Apesar de não ser nenhuma especialidade e não vir servida com o requinte sugerido pelo Chef, a petinga cumpriu com o prometido: comida de sabor caseiro a bom preço. Já os panados deixavam a desejar, com o ponto de cozedura demasiado passado e excesso de óleo.

À sobremesa deliciámo-nos com uma fatia generosa de pudim de laranja e um crocante de chocolate e amêndoa. Só ficámos sem perceber quem era o responsável pelas iguarias, porque quando abordámos Bruno para elogiar as sobremesas e quem as confeccionou, este ficou atrapalhado na explicação e mencionou a cozinheira e uma pastelaria externa.

No final, o balanço é positivo. Saímos de barriga cheia e sem a carteira vazia, mas a sensação que fica é que a passagem do "Pesadelo na Cozinha" não alterou muito o que já se fazia por ali, até pela conjuntura em que o espaço se insere: uma zona com muitos operários que procuram uma refeição rápida a preço convidativo, sem grandes decorações ou estilo gourmet.