Salvador Sobral apresenta novo álbum "Paris, Lisboa"

com Lusa
Salvador Sobral na Selfie
Salvador Sobral: «Quando tenho que fazer uma biopsia é que fico nervoso»
Salvador Sobral casou-se em segredo com Jenna Thiam
Marcelo Rebelo de Sousa condecora Luísa e Salvador Sobral
Manuel Navarro apoia Salvador Sobral

"Paris, Lisboa", o segundo álbum de Salvador Sobral, que apresenta um som "mais maduro", com várias influências e a participação de "imensos amigos" e no qual o cantor continua "à procura", é editado hoje.

"Paris, Lisboa" surge três anos depois de "Excuse Me", no qual cruzava referências de uma vida, do jazz de Chet Baker aos clássicos brasileiros de Dorival Caymmi.

O novo disco surge quase dois anos depois de ter vencido o Festival Eurovisão da Canção, com a música "Amar pelos dois", composta pela irmã, Luísa Sobral, tornando-se no primeiro português a alcançar tal feito.

No segundo álbum, "os músicos são basicamente os mesmos, o som da banda é o mesmo" que no primeiro, mas "um bocadinho mais maduro", afirmou o cantor em entrevista à Lusa.

"Paris, Lisboa", cujo título é, em parte, uma homenagem a "Paris, Texas", de Wim Wenders, o"filme preferido" de Salvador Sobral, é um "disco de influências", mas também um disco no qual o cantor continua "à procura".

"Eu estou sempre à procura na música que faço e espero continuar sempre. Nunca vou encontrar verdadeiramente aquilo que quero fazer, porque gosto de fazer tantas coisas, mas acho que é uma incoerência artística saudável", partilhou o cantor que, no alinhamento dos concertos, já tem incluído algumas das 12 canções que compõem "Paris, Lisboa".

Entre os amigos que se juntaram a Salvador Sobral na conceção e produção do disco estão o baterista Joel Silva, o pianista Júlio Resende, os cantores Luísa Sobral e António Zambujo, o contrabaixista André Rosinha e o guitarrista André Santos.

Além dos amigos, há outra parte da vida de Salvador Sobral bem presente no álbum, logo no primeiro tema "180,181 (catarse)", que o cantor queria "que fosse a música zero, mas tecnicamente não dá para fazer".

O tema aborda os dias que passou no hospital, quando foi sujeito a um transplante de coração.

"É na verdade tudo o que ficou para trás, e esta experiência tão forte que eu tive e queria expressá-la", afirmou, confidenciando que quis "que o disco começasse com uma espécie de um renascimento".

Recorde o tema "Amar pelos Dois", bem como algumas das novas músicas de Salvador Sobral que, recentemente, falou sobre o casamento surpresa com Jenna Thiam, as polémicas e a ida de Conan Osíris à Eurovisão.