Pedro Abrunhosa e Carolina Deslandes cantam "Tempestade"

Redação
"Tempestade": Pedro Abrunhosa estreia na TVI uma música sobre a realidade que vivemos
"Tempestade": a música de Pedro Abrunhosa que descreve o momento coletivo que vivemos
Pedro Abrunhosa em versão quarentena: «Se te apanho na praia, dou-te um exerto»

Acaba de ser lançado o videoclipe do tema "Tempestade", que junta Pedro Abrunhosa e Carolina Deslandes.

"Escrevo o que vejo, o que sinto, o que gostaria que por aí viesse. A música é sempre uma alegoria invendável e um mistério que, felizmente, por razões que nenhuma palavra explica, nos move e comove. ‘Tempestade’ é uma canção que fala dum tempo que nunca devíamos ter vivido, para nos lembrarmos quem éramos e que sonhos tínhamos quando nos obrigaram a separar dos beijos dos que nos amam. Nada mais do que isso", escreveu Pedro Abrunhosa, nas redes sociais.

Os elogios a Carolina Deslandes também não faltaram: "É das pessoas mais íntegras que jamais encontrei no meu percurso profissional. Nada na Carolina a distancia da obra que, tão nova, já fez. A genuinidade é atributo de poucos e, talvez, a dela, para além do incrível talento para a escrita e para performance ao vivo, ajude a explicar o amor incondicional que desperta. Seria esta uma ‘Tempestade ‘ escura, se a Carolina não lhe tivesse emprestado a sua voz de Luz, gravada em sua casa, em Lisboa, e a sua presença carregada de esperança. Com ela, tenho descoberto caminhos que nos levarão, espero, ainda a muitos mais palcos juntos."

Também nas redes sociais, Carolina Deslandes falou sobre o convite para cantar com Pedro Abrunhosa:  "Quando o Pedro me ligou e me explicou o significado desta canção e a vontade que tinha de pô-la cá fora, fiquei emocionada a ouvi-lo. Pensei na quantidade de vezes em que recorri às canções que ele nos tem dado, ao longo dos anos, e o quanto elas foram um ombro amigo, mesmo antes de o conhecer e de sonhar cantar com ele. Pensei na sorte que tenho de o ter como amigo, e de fazer parte desta vontade que ele tem de fazer do mundo, não só um lugar melhor, mas, acima de tudo, um lugar menos só. Pediu-me que a cantasse com ele e que transmitisse este recado: não estamos sós na tempestade. É uma honra sem tamanho fazer isto. O Pedro diz que quando me conheceu sentiu que as suas canções 'chegaram a casa'. O que ele não sabe é que ele já era parte da minha, desde que me lembro. Sejam bem vindos ao início desta parceria bonita, sejam bem vindos ao recomeço da vida, com novos contornos, mas com uma vontade e uma urgência que é comum a todos: a de voltar."

Pedro Abrunhosa falou, ainda, sobre a colaboração de Diogo Piçarra neste tema: "Na reta final da escrita desta canção, desinquietei o Diogo Piçarra, para me ajudar a entender para onde podia, ainda, a música crescer. O Diogo é muito músico. Muito mesmo. Daqueles de mão cheia. Dos que entendem, a fundo, cada sílaba com o afecto que dedicam aos seus próprios passos. De sua casa, em Faro, enviou-me a magnifica produção que, em conjunto com o meu compagon-de-route, João Bessa, em Miramar, elaborou ao detalhe minucioso do silêncio. Ouçam-na e verão que não exagero. Entretanto, no Boomstudios, em Gaia, Rui Paiva, ouvido atento ao ressoar do piano, e eu, no meu piano, no Porto, tentávamos aprofundar a transparência que todas as tempestades, uma vez passadas, deixam. Esta há-de ir. Tem de ir. Porque tenho muitas músicas a escrever, os talentos de toda esta geração para me ensinarem, e, sobretudo, tenho encontro marcado com o meu público nos palcos de todo o País.

Por último, o músico agradeceu ao filho, Hugo: "A terminar, uma palavra ao meu filho, Hugo, que, em três dias, usando imagens que, dos quatro cantos do mundo, lhe iam chegando, editou e montou, com João Pacheco, cada qual em sua casa, o magnífico clipe que sublinha a minha canção."