Goucha

Daniel Souza, ex-marido de Luciana Abreu, recorda problemas conjugais: "Começou a ser uma tortura"

O ex-marido de Luciana Abreu, Daniel Souza, concedeu a primeira entrevista televisiva a Manuel Luís Goucha, para se defender das acusações da atriz.

O fim do casamento de Luciana Abreu e Daniel Souza tem feito "correr muita tinta". Depois de ser acusado, pela ex-mulher, de violência doméstica, o guia turístico concedeu, pela primeira vez, uma entrevista a Manuel Luís Goucha, transmitida na passada segunda-feira, dia 11, no programa "Goucha", da TVI, na qual aproveitou para se defender.

O ex-marido da atriz começou por falar sobre o período conturbado do nascimento das filhas, as gémeas Amoor e Valentine, de quatro anos, que nasceram prematuras. Na altura, o guia turístico pediu a um tio que se instalasse em casa do casal, de forma a ajudar Luciana Abreu, quando este estivesse fora, em trabalho.

Daniel Souza revelou que os problemas conjugais começaram, entretanto. "Os problemas não se devem, de forma alguma, a uma possível crise pós-gravidez. Os problemas vêm na sequência de um tema que, nomeadamente, tem que ver com os dinheiros, entre outras coisas que se passavam lá em casa e que eu vim a descobrir pelo meu tio, que vivia lá. Ele esteve lá quatro meses e saiu, porque não aguentava mais", avançou.

"Ele foi lá para auxiliar nas idas às compras, a levar as filhas mais velhas à escola, a fazer as limpezas em casa, a preparar e gerir toda a casa. Acima de tudo, era o vínculo que eu tinha naquela casa, de assegurar que não faltava nada. O casamento está a correr bem, a partir da entrada do meu tio na casa, em meados de março, e foi até quase final de junho. Aí, começo a trabalhar normal, começo a estar ausente, por norma entre 15 e 20 dias, e começo a aperceber-me, através do meu tio, que realmente se passavam coisas estranhas", continuou o guia turístico.

Estas coisas estranhas eram, de acordo com Daniel Souza, "rituais, em que existem queimas". "Com todo o respeito por quem segue esse tipo de filosofia, eu sou católico e nunca aceitei bem o facto de serem feitos rituais naquela casa, até porque ficava preocupado com as minhas filhas. Foi pedido ao meu tio que não dissesse nada. Estamos a falar de rituais em que existem queimas, não só velas, mas de folhas secas, de aglomerados, que não sei o que é aquilo, e que deitam um cheiro meio nauseabundo. Fiquei preocupado, por saber que as minhas filhas prematuras respiravam aquilo", enumerou o ex-marido de Luciana Abreu.

Mas, para o guia turístico, os principais problemas estavam relacionados com "questões monetárias e a compra de uma casa".

"A questão dos dinheiros, da compra da casa, foi o mais relevante. Convivíamos na casa que tinha alugada em Cascais e, de repente, começa com a ideia de mudar de casa e diz que já tinha uma compra em andamento. Na compra da casa, foi feito o contrato de promessa de compra e venda e ela não tinha o valor... eu emprestei, 16 mil euros. Já tinha emprestado esse valor e ela tinha pagado, não havia por que desconfiar", explicou, ainda, o guia turístico.

Porém, antes de a escritura ser feita, nomeadamente, dois dias antes, Luciana Abreu terá ido ao banco, deparando-se com uma situação inesperada. "Passados dez minutos, sai a chorar, a dizer que a mãe lhe tinha roubado 80 mil euros do cofre, e, aí, eu vi-me entre a espada e a parede, ela ainda estava grávida, já sabíamos que eram gémeas, e eu vi-me obrigado a ajudar, a emprestar dinheiro", contou, durante a conversa com Manuel Luís Goucha.

"Foi feito um leasing, e a primeira prestação foram cento e poucos mil euros, em que eu tive que pôr as minhas economias, e tive que recorrer, também, aos meus pais, para juntar este valor e fazer face à primeira prestação, que aconteceu logo após a assinatura do leasing. Na altura, desesperado, pedi aos meus pais e eles acederam ao pedido, com as economias deles. Foi-lhes dito que ela estava no auge da carreira, para estarem tranquilos, e… até ao dia de hoje [não aconteceu]. Cada vez que eu falava no tema, os meses passavam, e não havia sinais, nem sequer, de amortecer o valor", lamentou.

O apresentador Manuel Luís Goucha quis saber se este assunto era falado de forma pacífica. "Falávamos por telefone, estando eu a trabalhar no estrangeiro, e quando chegava a casa, deparava-me com o quarto fechado. As minhas coisas estavam na cave e não havia diálogo possível. Eu vinha por cinco, dez dias, preocupado em não gerar um ambiente pesado, em casa, não estar a discutir sobre a mesma coisa, e começou a ser um hábito... cada vez que o tema era falado, era algo que não lhe agradava, nomeadamente os dinheiros e os rituais, aquilo começou a ser uma tortura", respondeu Daniel Souza, que decidiu, entretanto, sair de casa.

Por fim, o ex-marido de Luciana Abreu confidenciou que "soube do divórcio através das redes sociais".

Relacionados