Raquel Tavares faz revelação inédita e surpreendente: "Espanquei um homem"

Igor Pires
Conta-me como és - Fátima Lopes entrevista Raquel Tavares
Raquel Tavares no "Conta-me Como És"
Alexandra Borges no "Conta-me Como És"
Ágata no "Conta-me Como És"
Toy no "Conta-me Como És"

A fadista Raquel Tavares foi a entrevistada deste sábado do programa "Conta-me como És".

Neste sábado, dia 20, Raquel Tavares foi a convidada de Fátima Lopes no programa "Conta-me como És". Numa conversa na qual se relembrou o percurso pessoal e profissional da fadista - e que foi marcada por muitas lágrimas -, Raquel Tavares acabou por fazer uma revelação inédita e surpreendente.

Tudo aconteceu depois de a voz de "Meu Amor de Longe" ter ouvido a mensagem da sua melhor amiga, Vânia Duarte. Em primeiro lugar, Raquel Tavares afirmou que Vânia Duarte é muito mais do que uma melhor amiga ou até mesmo do que uma irmã: para a fadista, trata-se da sua alma gémea.

A ligação entre ambas é tão forte que Raquel Tavares até recordou um momento em que "perdeu a cabeça" em defesa de Vânia Duarte. "Já dei a minha vida por esta pessoa. Fiz a maior das loucuras por esta pessoa. Tive um comportamento que desconhecia que era capaz de ter para defender esta pessoa e o filho dela, que é meu sobrinho por afinidade", começou por afirmar.

"Vou dizê-lo: espanquei um homem. Espanquei-o. Nunca tinha batido em ninguém. Não sei de onde veio a força, sei que fiquei com as mãos em sangue. Era um fulano que atirou duas pedras ao carro da minha amiga com o filho dela lá dentro e eu apanhei-o e espanquei-o", admitiu Raquel Tavares, visivelmente emocionada.

"Depois veio a polícia, que queria prender-me, e eu disse: 'levem-me'. Não fui presa, claro. Mas perdi a cabeça e foi aí que percebi o lugar que esta pessoa tem na minha vida", conclui a fadista.

Raquel Tavares, de 34 anos, ainda abordou a importância da "alegria" e "altivez" de Alfama na sua vida. Foi neste bairro onde cresceu e se tornou fadista, uma profissão que diz ter escolhido aos nove anos, quando se deslumbrava pelas vozes que desde cedo embalavam os serões em casas de fado.

A artista relembrou, ainda, como foi tão difícil criar amizades, devido aos seus gostos musicais. "Não foi tão simples assim na minha pré-adolescência. Fui ostracizada", recordou. 

Raquel Tavares confessou que sofreu nessa fase, mas que contou sempre com o apoio da professora: "Sofri. Não era fixe e a minha professora foi quem me segurou, quem pôs as pessoas no lugar, quem me protegeu."

(Re)veja a entrevista completa.