Filho de Meghan Markle e príncipe Harry recebe nome africano: saiba qual!

Príncipe Harry e Meghan Markle em visita oficial a África
Meghan Markle homenageia princesa Diana, após licença de maternidade
Meghan Markle apoia Serena Williams no US Open
Meghan Markle lança coleção de roupa solidária
Em ano e meio, Meghan Markle usou 200 mil euros em joias

Archie, filho de Meghan Markle e do príncipe Harry, recebeu um nome de origem africana durante a visita à África do Sul dos duques de Sussex.

Quatro meses após o nascimento, Archie foi "rebatizado" com um nome africano, durante uma visita a Nyanga, uma aldeia na África do Sul.

O filho de Meghan Markle e do príncipe Harry foram recebidos por representantes do The Justice Desk, uma organização que promove os direitos das mulheres e das crianças, e o bebé de quatro meses foi rebatizado pelas comunidades como Ntsika, ou seja o pilar da força em xhosa, uma das línguas oficiais do país. O nome foi escolhido pela Gogo, a avó da cidade.

O momento foi captado pelos presentes e, rapidamente, foi divulgado na Internet.

Recorde-se que o príncipe Harry e Meghan Markle vão estar em visita oficial pelo continente africano ao longo de dez dias. O casal chegou esta segunda-feira, dia 23, à Cidade do Cabo, África do Sul, acompanhado pelo filho, Archie, seguindo-se um programa de três dias de visitas a organizações e iniciativas relacionadas com os direitos da mulheres e crianças, o combate ao racismo, a defesa do ambiente e o apoio à saúde mental.

Na quarta-feira, o príncipe Harry, segue sozinho para o Botsuana, enquanto que a duquesa de Sussex prossegue, na África do Sul, uma série de compromissos oficiais. Na região do Chobe, no Botsuana, onde existe um grande parque natural, vai promover a colaboração com os países vizinhos Namíbia, Zâmbia e Zimbabué no âmbito do Queen's Commonwealth Canopy, para promover a circulação de animais selvagens.

Durante a viagem, Harry vai, ainda, visitar, no Huambo, em Angola, uma zona antes ameaçada por minas terrestres, cuja campanha para limpeza a princesa Diana ajudou ao deixar-se fotografar em 1997, atraindo a atenção mundial para o problema. Atualmente, alguns destes campos têm escolas, lojas e casas, resultado das operações de desminagem da Halo Trust e de outras organizações, financiadas, parcialmente, pelo governo britânico.

Durante a visita, o príncipe Harry vai conhecer algumas das pessoas que contactaram com a mãe há 22 anos, nomeadamente a atual governadora da província, Joana Lina, e um membro dos trabalhos de desminagem, Valdemar Gonçalves Fernandes. Vai, também, visitar o Centro Ortopédico do Huambo, que vai passar a chamar-se Princesa Diana, antes de viajar para Luanda.Depois de visitar Angola, Harry vai estar, ainda, três dias no Malaui, antes de regressar à África do Sul, onde, em conjunto com Meghan Markle, vai encontrar-se, na quarta-feira, com a antiga primeira dama Graça Machel, concluindo a visita com uma audiência com o presidente Cyril Ramaphosa.

Segundo o palácio de Buckingham, "o amor do Duque de Sussex por África é bem conhecido. Ele visitou o continente, pela primeira vez, aos 13 anos e, mais de duas décadas depois, as pessoas, a cultura e a vida selvagem, bem como a resiliência das comunidades continuam a inspirá-lo e motivá-lo".

Veja, agora, na galeria as primeiras imagens do casal real em solo africano.