EXCLUSIVO

Susana Arrais recorda a personagem mais marcante que fez na TVI

Susana Arrais recorda novela marcante que fez na TVI
Susana Arrais na Selfie
Susana Arrais e Pedro Hossi, um dos casais mais queridos de "Ouro Verde"

A propósito do 26.º aniversário da TVI, a Selfie esteve à conversa com Susana Arrais, que recordou o percurso na estação de Queluz de Baixo.

Um programa da TVI que mais a marcou...

Um programa marcante, para mim, é o "Câmara Exclusiva", porque foi um programa que acompanhou, durante muito tempo, as produções de novelas que fui fazendo. A companhia daquela equipa foi muito importante para o ambiente de trabalho e para a promoção do mesmo, não só na televisão, como nas outras coisas que fazemos fora do ecrã.

Uma novela que não esquece...

Sendo absolutamente tendenciosa, é "Sonhos Traídos", porque foi a primeira novela que fiz de uma ponta à outra e com um papel determinante para mim e na história, que foi a Zé. Todos os dias há pessoas que me interpelam por causa dessa personagem.

Uma memória divertida...

É o momento em que vou a andar pelos corredores da Plural, para ir gravar a novela, e vou a cumprimentar os colegas e, de repente, a colega que vou cumprimentar é a minha filha, que estava também a fazer novela no estúdio ao lado. A minha filha passar a ser a minha colega foi aquele "susto" e fiquei uns dias a pensar nisso. 

Uma cara da estação muito querida...

Além da Marta Andrino - que sempre me disseram que somos muito parecidas -, também a Tatiana [Figueiredo] que me pregou uma grande partida no "Câmara Exclusiva". É uma pessoa de quem gosto muito e é uma grande profissional.

A primeira pessoa com quem trabalhou...

Foi em 2001, o Manuel Wiborg, que fazia [a personagem] de Tozé Martinho quando era mais novo e eu fazia a de Lídia Franco em nova. Foi uma experiência muito engraçada e muito divertida.

Por que motivo a TVI é tão especial?

A TVI é muito especial, porque tem sido uma casa há quase 20 anos. Com o entra e sai, comum da minha profissão, é sempre bom voltar e ser bem recebida, bem como sentir que, de alguma forma, fazemos parte desta história que agora se festeja neste aniversário.