EXCLUSIVO

A Pipoca Mais Doce sobre ser mãe prematura: "Foi a experiência mais dura na minha vida"

"A Pipoca Mais Doce" sobre ser mãe prematura: "Foi a experiência mais dura na minha vida"
A Pipoca Mais Doce e Maria Vaidosa apelam ao voto nos Blogs do Ano
Já nasceu o segundo filho de Ana Garcia Martins
A Pipoca Mais Doce mostra luta para regressar à boa forma após a gravidez
A Pipoca Mais Doce foi novamente mãe

A propósito do Dia Mundial da Prematuridade, Ana Garcia Martins descreve os primeiros dias que viveu com a sua segunda filha, Benedita.

Ana Garcia Martins, autora do blogue "A Pipoca Mais Doce", foi mãe não de um, mas de dois bebés prematuros. O primeiro filho, Mateus, nasceu às 34 semanas de gestação, mas estava "ótimo, sem qualquer tipo de problemas", de acordo com as palavras de Ana Garcia Martins. Já o segundo bebé, a Benedita, nasceu às 33 semanas, mas, neste caso, já com mais algumas complicações.

"A Pipoca Mais Doce" relembra que a filha tinha alguns problemas a nível respiratório e de alimentação. Por esses motivos, Benedita teve de ficar internada quase duas semanas numa unidade de cuidados neonatais, numa incubadora, o que não foi fácil para a blogger: "Custa muito os nossos filhos nascerem e não ficarem connosco. É um processo muito antinatura quando um filho nasce e não lhe podemos pegar e fazer tudo aquilo que as mães normalmente fazem quando têm um bebé. A Benedita nasceu e foi logo levada. Só fiquei com ela uns 30 segundos", recorda Ana Garcia Martins.

Para "A Pipoca Mais Doce", esses dias em que esteve longe da filha foram, sem dúvida, "a experiência mais dura" pela qual passou na vida: "Foi muito complicado acordar e não ter o meu bebé comigo e ouvir os outros bebés à minha volta... Foi um processo muito doloroso estar sempre a contar os minutos para ir visitá-la à incubadora."

A ansiedade tomou conta de Ana Garcia Martins, no dia em que trouxe, finalmente, a sua Benedita para casa: "Por um lado, ficamos muito contentes, porque ela ia para o sítio onde pertence. Por outro, não há todo aquele apoio do hospital. Somos nós que passamos a ser os cuidadores principais, o que é sem dúvida assustador."

Não se esqueça de ver o vídeo com o testemunho na íntegra de Ana Garcia Martins.