Atriz brasileira mostra parto em vídeo emocionante

Juliana Alves na Selfie

Juliana Alves, de 35 anos, foi mãe pela pela primeira vez e decidiu, através das redes sociais, partilhar um vídeo em que mostra o momento em que deu à luz a pequena Yolanda. As imagens não deixam ninguém indiferente.

Com o propósito de "encorajar outras mulheres a terem uma experiência de parto mais humanizado", a atriz brasileira decidiu mostrar todos os passos até ao nascimento da primeira filha, fruto da relação com Ernani Nunes.

A acompanhar a publicação, Juliana Ales escreveu um texto em que descreve as emoções pelas quais passou, durante o parto.

"[...] Eu gritava a cada contração, a caminho da maternidade em intervalos de menos de 5 minutos. Chegando lá, encontramos nossa obstetra que já estava tudo como combinado previamente, num plano de parto o mais humanizado possível dentro de uma maternidade( uma sala com banheira, o tal gancho que eu sabia que usaria no teto para eu puxar um pano, enquanto fazia força, pouca luz, conversa previa com pediatra) E minhas contrações foram se intensificando e os intervalos diminuindo. Eu não achava nenhuma posição menos dolorosa, não existia um jeito... a gente tinha que descobrir ali. Eu havia "aprendido " como respirar mas na hora da dor intensa, parecia que eu não sabia nada... como a minha doula Luciana havia avisado, eu entrei na "partolândia"... E minha consciência se dividia entre a aquele espaço físico ali e um outro mundo onde eu precisava acessar para me concentrar no que importa e buscar forças... Passaram- se horas de contrações fortíssimas e a minha obstetra Viviane me orientava como conduzir a respiração e como fazer a força certa para ajudar minha filha a descer... [...] Já era de manhã, eu olhava pro relógio e parecia estar sonhando, eu tinha uns " desmaios" de exaustão e nessa hora, o meu marido, que desde o início estava super presente e participativo, começou a falar mais alto, me tocar mais e praticamente respirar junto comigo... ERA PRECISO USAR A DOR A NOSSO FAVOR. Fizemos diversas posições, na banheira, de cócoras, semi deitada, puxando pano amarrado no teto e no final, pari com "mix de todas as posições", numa engenharia muito louca e eficiente para mim, encontrada depois de horas e horas de trabalho intenso de parto! Quando eu já tinha a dilatação necessária para minha filha sair, eu achava que não teria mais condições de suportar a dor das contrações e continuar a usar a força para conduzi-la.  [...]"

ATENÇÃO, o vídeo pode conter imagens capazes de ferir suscetibilidades.

 

1 da manhã a bolsa estourou. Avisei a obstetra e a doula, que veio pra minha casa na intenção de fazer um trabalho de pre parto, com exercícios na bola, massagens, banho quente, o q fosse preciso pra me preparar e para irmos pra maternidade apenas quando estivesse muito próximo do parto propriamente dito... Mas no meu caso, não houve este tempo, porque as contrações já vieram muito intensas e eu confesso q me assustei um pouco... Eu gritava a cada contração a caminho da maternidade em intervalos de menos de 5 min... Chegando lá, encontramos nossa obstetra, minhas contrações foram se intensificando e os intervalos diminuindo. Eu não achava nenhuma posição menos dolorosa, não existia um jeito... a gente tinha q descobrir ali. Eu havia "aprendido " como respirar mas na hora da dor intensa, parecia que eu não sabia nada... como a doula @nascercomamor havia avisado, eu entrei na " partolandia"... rs E minha consciência se dividia entre a aquele espaço físico ali e um outro mundo onde eu precisava acessar p me concentrar no que importa e buscar forças... Passaram-se horas de contrações fortíssimas e a minha obstetra @vivianerego me orientava como conduzir a respiração e como fazer a força certa para ajudar minha filha a descer... Era uma voz firme e segura que me chamava pra responsabilidade e me lembrava que "quem faz o parto sou eu", eu tinha que parir! Também tinha uma vozinha doce e fraternal, da assistente dela de dizia como poesia " traz ela pra gente, traz a Yolanda, traz, Ju! ". E minha doula Luciana, que cuidava de entender o que meu corpo pedia, quando eu não conseguia ser clara, dizia com sua voz suave palavras de incentivo e cumplicidade e cuidava pra minha natureza permitir q tudo fluísse bem... importante deixar a natureza agir. Já era de manhã, eu olhava pro relógio e parecia estar sonhando, eu tinha uns " desmaios" de exaustão e nessa hora, o meu marido, que desde o início estava super participativo, começou a falar mais alto, me tocar mais e praticamente respirar junto comigo... ERA PRECISO USAR A DOR A NOSSO FAVOR. (CONTINUA a melhor parte no primeiro comentário aqui . E texto completo na Juliana Alves no Facebook) Vídeo @cameramagica

Uma publicação partilhada por Juliana Alves (@julianaalvesiam) a