Morreu Stephen Hawking, um dos maiores físicos de todos os tempos

Stephen Hawking: "Não podemos prever o que vamos conquistar"
Stephen Hawking: "Não podemos prever o que vamos conquistar"
Stephen Hawking: uma vida invulgar em imagens

O aclamado cientista Stephen Hawking morreu, esta madrugada, aos 76 anos, em Cambridge, no Reino Unido. O anúncio da morte foi dado pelos três filhos, através de agências noticiosas.

Desde os 21 anos que o físico britânico sofria de esclerose lateral amiotrófica (ELA), diagnóstico que nunca o impediu de levar a cabo inúmeros trabalhos que revolucionaram o conhecimento cientifico. Sem nunca ter sido premiado com um Nobel, Stephen Hawking deixa, ainda assim, um legado imenso e inigualável.

"Estamos profundamente tristes com a morte, hoje, do nosso adorado pai. Foi um grande cientista e um homem extraordinário, cujo trabalho e legado permanecerão por muitos anos", declaram os filhos, Lucy, Robert e Tim.

"Ele disse um dia que ‘este não seria um grande universo se não fosse a casa das pessoas que amamos'", acrescentaram, recordando uma das célebres frases do cientista.

Além de ser uma fonte de inspiração pela forma como lidava com a doença incapacitante - caracterizada pela degeneração dos neurónios motores - Hawking será sempre recordado pelo seu contributo à Ciência, cujo trabalho se destacou na área da relatividade e dos buracos negros, entre outras visões do Universo, com grandes obras como "Uma Breve História do Tempo", um dos livros mais vendidos do mundo, bem como o "O Universo Numa Casca de Noz", entre tantas outras.

Note-se que o filme “A Teoria de Tudo” retrata a vida de Stephen Hawking, com destaque para o percurso académico e a carreira do físico, que casou duas vezes. A trama baseia-se num livro de memórias da primeira mulher, Jane Hawking.